segunda-feira, 30 de novembro de 2015

FrenteColonia2015Pacote para o Fim de Ano 2015 na Colônia de Férias

Estão abertas as inscrições para os sorteios dos quartos para o pacote de Réveillon na Colônia de Férias dos Químicos, em São Sebastião. Para participar, basta entrar em contato pelo telefone: (12) 3953-3277 de segunda à sexta das 8h às 12h e das 13h às 17h. O pacote será de 28 de dezembro a 3 de janeiro. O quarto para casal custará R$ 240,00. O quarto para a hospedagem de 3 a 6 pessoas custará R$ 360,00.

O sorteio será no dia 5 (sábado) de dezembro, às 9h, no nosso Salão de Assembleias, que fica à Praça Carlos Maldonado Campoy, 23 – atrás da nossa sede em São José dos Campos.

Atenção: a reserva para o período fora da virada de ano pode ser efetuada normalmente pelo telefone (12) 3953-3277.

facebook_icondiv

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Privatização da Vale mata o Rio Doce e espalha lama tóxica até o mar

Este é o resultado da privatização da Vale do Rio Doce, que, hoje, chama-se apenas Vale. Já o Rio Doce não existe mais, foi destruído por milhares de metros cúbicos de lama tóxica. O rompimento de uma barragem da Samarco, empresa da Vale e da BHP (multinacional australiana do setor de minérios), matou 13 pessoas (mortes confirmadas). Ainda há 11 pessoas desaparecidas. RioDoceJuntoMar2015A lama avançou sobre a bacia do Rio Doce, provocou o corte do abastecimento de água de várias cidades, como: Governador Valadares, município de 80 mil pessoas, matou milhares de peixes, em plena época de desova, caranguejos e acabou com o uso da água do Rio Doce para a agricultura, pesca e gado.

As barragens são depósitos de lixo das mineradoras. O capitalismo destrói os rios, mata os peixes e chama de acidente o que, na verdade, é o maior crime ambiental da história do Brasil. Os efeitos deste crime serão sentidos por décadas porque a lama chegou ao mar via Espírito Santo e atingiu um santuário das tartarugas marinhas e outras espécies. A exploração desenfreada destruiu um Rio todo e poluiu mais de 650 km do seu leito. E isso porque ainda não se sabe a extensão total do crime com a dispersão da lama no mar.

Milhares de pessoas sofrerão consequências deste crime. Populações ribeirinhas, pescadores, regiões turísticas foram devastadas pela lama. O governo não fiscaliza as quase 500 barragens no país e agora ainda cumpre o papel de lixeiro das mineradoras limpando. É a famosa parceria público-privada: as empresas lucram, o governo limpa a sujeira e banca os financiamentos com o dinheiro público.

A Vale foi privatizada pelo governo FHC do PSDB a preço de banana. Foi entregue por U$S 3,4 bilhões de dólares quando o valor de mercado da empresa era U$S 10,3 bilhões. A privatização disparou a produção de minérios, aumentando o lucro da empresa, que, hoje, vale US$ 190 bilhões, mas esburacando ainda mais Minas Gerais e aumentando o depósito de lixo nas montanhas além da capacidade de armazenamento de resíduos. Afinal, se der zebra, e deu, a sujeira será no quintal dos outros, o Brasil, já que a companhia não é mais brasileira. O lucro da mineração, hoje, vai todo para o exterior.

A conivência do governo federal e do estadual de Minas com a Vale foi comprada. A Vale financiou dezenas de políticos e partidos. É justamente por essas e outras que as empresas “compram” os seus deputados, senadores, prefeitos, vereadores. Nenhum político vai condenar os crimes de uma empresa que o “bancou”. A cara de pau da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, para minimizar o crime e enganar o povo de que um rio deste porte pode ser recuperado é revoltante. A lama é tóxica porque tem metais pesados gerados da mineração. Ainda há o risco de rompimento de outras barragens maiores. A barragem de Germano está trincada.

O mais grave é que a Samarco, empresa da Vale, assumiu o poder de Estado. A própria empresa investiga o crime que cometeu, anuncia o número de mortes confirmadas, controla o acesso aos atingidos e ainda demitiu 90 trabalhadores terceirizados, dos quais muitos são vítimas do crime ambiental porque tiveram suas casas destruídas pelo Tsunami de lama tóxica. A empresa controla a cena do crime em Mariana (MG) e decide até que jornalista pode entrar. É claro que aí entram interesses financeiros também porque o grupo Globo, por exemplo, tem participação acionária na Vale e nunca vai admitir que a Samarco/Vale cometeu e continua cometendo um crime contra o povo brasileiro.

A fim de defender o capital internacional, Dilma lançou o Decreto 8572/15, que diz: “considera-se também como natural o desastre decorrente do rompimento ou colapso de barragens que ocasione movimento de massa, com danos a unidades residenciais”. É o governo legalizando os crimes ambientais. Para piorar, a Comissão de Desenvolvimento Nacional do Senado aprovou o projeto de lei que cria o licenciamento ambiental especial. O projeto do corrupto senador Romero Jucá (PMDB-RR) amplia as regras de licenciamento ambiental para obras consideradas estratégicas, como rodovias e hidrovias. Ou seja, está liberado destruir o meio ambiente em nome do lucro do grande capital.

Só nos cabe combater as privatizações. O capitalismo não é um sistema viável, ele destrói o meio ambiente e causa danos para as populações, como os povos indígenas sempre denunciaram. O capitalismo só destrói a natureza. A exploração da mineração e de qualquer atividade tem que ser controlada e voltada para o povo trabalhador. É preciso romper com esta lógica neoliberal de exploração e destruição dos recursos naturais. Só assim poderemos impedir um novo crime ambiental.

facebook_icondiv

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Estudantes ocupam escola em São José dos Campos
Pais e alunos se unem contra ataques do PSDB ao ensino público

Os pais de alunos, o movimento estudantil e os estudantes da base do ensino médio estão revoltados com a chamada “reestruturação do ensino” do governador AtoEstudantes2015Geraldo Alckmin (PSDB). São os ajustes fiscais do estado servindo de desculpa para o avanço do sucateamento do ensino público. Cerca de 45 escolas estão ocupadas pelos estudantes em todo o estado de São Paulo contra o fechamento das unidades. Alckmin quer economizar fechando escolas, demitindo professores, agravando a exploração da categoria com classes superlotadas, comprometendo ainda mais o aprendizado dos estudantes. Agora serão criados os estudantes “beliche” porque com o fechamento de escolas outras unidades ficarão ainda mais superlotadas com a transferência dos alunos.

E a razão para essa reestruturação é mais profundo. O PSDB quer separar o ensino fundamental do médio para enfraquecer a categoria dos docentes com a separação dos professores como se fossem classes distintas de trabalhadores. Esse ataque vai de encontro aos interesses do capital de cada vez mais empurrar alunos para o ensino privado por conta da queda da qualidade proposital do ensino público. Alckmin faz o jogo do mercado e cumpre os interesses dos “patrões” do ensino.

Alckmin é tão inimigo da educação que mandou a Força Tática, a Tropa de Choque e mais de 200 policiais atacarem estudantes da Escola Estadual João Ramalho, no centro de São Bernardo do Campo, que ocupam a unidade contra a destruição do ensino. E isso vem de um governador do partido que governa São Paulo há 20 anos, viu nascer o PCC e até já negociou cessar fogo com os criminosos. Por isso, é ainda mais criminoso atacar alunos adolescentes indefesos.

NAKED OCUPADA

Dezenas de alunos da escola estadual Major Miguel Naked, no Jardim Morumbi, na zona sul de São José dos Campos, ocuparam a escola na tarde de ontem, 19, contra este ataque do PSDB. O governo estadual quer transferir os alunos do ensino médio para a escola estadual Joaquim de Moura Candelária, que fica a mais de um quilômetro de distância. Os pais dos alunos apoiam a ocupação porque se sentem prejudicados com a separação dos filhos entre escolas. Irmãos teriam que estudar em escolas diferentes com mais este ataque do PSDB, que é inimigo da educação e dos professores.

É só lembrar a forma violenta como o governador trata os professores para saber que o PSDB odeia a educação. Tanto em São Paulo, de Alckmin, quanto no Paraná, de Beto Richa, também do PSDB, os professores são atacados pela Polícia Militar em mobilizações de Campanha Salarial. O governador que manda a polícia tacar gás de pimenta, bombas de gás e balas de borracha nos professores quer destruir o ensino público para privatizar a educação. Contudo, há resistência. O povo acordou para esta luta!

A Unidos Pra Lutar e o Sindicato dos Químicos são solidários e apoiam a ocupação das escolas pelos estudantes. Não ao fechamento de escolas, demissão de professores, superlotação de salas de aula, separação de irmãos entre escolas! Exigimos um ensino público de qualidade!

Que tire do Bolsa Mídia, não da Educação! Alckmin é acusado pelo Tribunal de Contas do estado de contratar milhares de exemplares das revistas da Editora Abril, que publica a fascista Veja, e ainda sem licitação para tirar a Abril do buraco. A mídia e o PSDB são aliados de longa data e Alckmin tira da educação e de outros setores para sustentar os empresários amiguinhos do PSDB.

Não ao Bolsa Mídia! Por uma educação pública de qualidade!

facebook_icondiv

Assembleia de greve na Plast Soft

As trabalhadoras e trabalhadores da Plast Soft, em Jacareí, deflagraram greve sexta-feira, 13, por depósito do FGTS, atrasado há cerca de um ano, e da cesta básica, em atraso há três meses. A paralisação teve 100% de adesão. A mobilização conquistou o pagamento da cesta básica ontem, 16, e o parcelamento do depósito do FGTS de todos os companheiros! Os trabalhadores (as) votaram no turno da tarde e da noite de ontem e das 6h de hoje, 17, o encerramento da greve.

Só a luta garante direitos! Parabéns, trabalhadores (as), pela mobilização e união!

facebook_icondiv

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

CabralAssinaturaFetQuimCampanhaSalarial2015Assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho

Os dirigentes Luís Eduardo e Wellington Luís Cabral do Sindicato dos Químicos e a FETQUIM (Federação dos Trabalhadores do Ramo Químico do Estado de São Paulo) assinaram nesta manhã, 10, a Convenção Coletiva de Trabalho com a patronal, na FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

A Convenção garante a reposição integral da inflação pelo INPC, que é de 10,33%, e garante a cláusula de PLR mínima, o que é muito importante para os trabalhadores das empresas pequenas da categoria. Em todas as empresas grandes, há negociação específica de PLR/PPR.

Agora a Campanha Salarial parte para a negociação fábrica a fábrica para conquistarmos e mantermos benefícios acima da Convenção. A luta continua, companheiros!

|Acesse o ACT aqui|

div

Mobilização contra o projeto da Câmara Municipal para criar uma taxa na conta de energia.

Os trabalhadores não aceitam pagar mais essa paga. O Sindicato dos Químicos participou com sua diretoria do Ato e convoca a população de Jacareí para comparecer amanhã, 11, à sessão de Câmara para exigir dos vereadores a revogação de mais essa taxa nas costas dos trabalhadores!

AtoContraTaxaNaContaDeEnergia2015

facebook_icondiv

terça-feira, 10 de novembro de 2015

banner-colonia-natal-2013Pacote para o Fim de Ano 2015 na Colônia de Férias

Estão abertas as inscrições para os sorteios dos quartos para o fim de ano 2015. E para participar do sorteio dos quartos basta entrar em contato pelo telefone: (12) 3953-3277 de Segunda à Sexta das 08h às 12h e das 13h às 17h

Dias do pacote:
Será do dia 28/12/2015 até 03/01/2016

Valor do pacote:
Para CASAL = R$240,00 (pacote)
Para quarto de 03 à 06 PESSOAS
= R$360,00 (pacote)
*Convidado sem ser sócio, adicional de R$30,00 (por pessoa)

Sorteio dos quartos
O sorteio dos quartos será realizado no dia 05/12/2015 às 09:00 em nosso Salão de Assembleias situado no endereço: Praça Carlos Maldonado Campoy, nº 23 – CENTRO - São José dos Campos.
(essa praça fica atrás da sede do sindicato, mapa aqui)


O Sócio responsável pela reserva ou um representante devem estar presentes no sorteio, caso não estejam será realizado o sorteio do quarto novamente.

facebook_icondiv

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

VotacaoAssembleia2015Campanha Salárial 2015
Químicos garantem reposição integral da inflação na Convenção Coletiva de Trabalho

Agora a luta será fábrica a fábrica por mais direitos para os trabalhadores!

O Sindicato dos Químicos irá assinar a Convenção Coletiva de Trabalho com a patronal amanhã, na FIESP, em São Paulo. A negociação com a patronal foi aprovada em assembleia dos trabalhadores no Sindicato dos Químicos no dia 29 de outubro.

O índice de reajuste a ser aplicado será a reposição integral da inflação, 10,33%. Esse índice do INPC foi divulgado na última sexta-feira, 6, e é referente ao índice oficial da inflação nos últimos 12 meses, que vale para a nossa data-base – 1º de novembro.

O acordo com a patronal representa uma conquista dos trabalhadores porque a intenção da FIESP era parcelar o INPC e ainda retirar, por exemplo, a cláusula da PLR da Convenção, o que prejudicaria principalmente os trabalhadores de empresas de pequeno e médio porte.

Assim, o acordo garante o mínimo de direitos para o conjunto dos trabalhadores químicos. Agora a luta será por fábrica, o que pode garantir Acordos Coletivos de Trabalho (ACT) com direitos acima da Convenção!

A luta continua, companheiros!

facebook_icondiv

Notícias anteriores